18/09/2015

Levamos nossos cães para visitar os idosos do Recanto São Camilo. E foi lindo!

Postado por: Mariana Castro | Categoria: itpeople

A ideia surgiu num jantar. Fui encontrar minha grande amiga Danielle Franco, Coordenadora de Comunicação da agência Activa, para matar as saudades e falar um pouco sobre o mercado de mídia. Ela, cheia de novidades na área da saúde. Eu, todo envolvido com o mundo dos animais de estimação. Fora a sintonia incrível, tínhamos, ali, boas ferramentas para um projeto a quatro mãos e muitas patas. Algo envolvendo pessoas, cachorros e felicidade.

 

Ficamos maturando, cada um no seu canto, por algum tempo. Só quando a coisa realmente ganhou forma é que chamei a Mari para uma conversa. Ela, como eu já esperava, abraçou logo de cara. Estava firmada uma parceria entre o It Pet e o Recanto São Camilo, entidade especializada em assistência geriátrica, através de sua assessoria de imprensa.

 

O plano era muito simples: levaríamos cães para visitar os velhinhos das duas unidades, Granja Viana e Jaçanã, uma vez por mês, durante 3 meses. Antonia e Docinho, nossas duas blogueiras caninas, já estavam escaladas. Mas, para atender um público tão grande, precisaríamos chamar reforço. Os amigos de fé, irmãos camaradas de todas as horas do Matilhando Psicologia Canina aceitaram o desafio. Eles completaram a trupe com os Pitbulls Maboo, Melbee e Lollita, além dos Chihuahuas gêmeos (tá, meu bem?) Bóris e Evaristo.

 

Docinho foi uma princesa...

Docinho foi uma princesa…

 

A primeira visita foi marcada para quinta-feira, 17 de setembro. Depois de uma semana com tempo bem feio, um baita sol embelezou ainda mais o jardim da unidade Granja Viana. Que lugar maravilhoso! Uma área gigantesca que pertencia ao Seminário São Pio X, construído em 1959. Tudo muito limpo, conservado e com uma atmosfera humana. Não um prédio com equipamentos. Não funcionários que só cumprem o procedimento. Um recanto.

 

Passaríamos parte da manhã com senhores e senhoras internados por diversos motivos. Não sei dizer quais doenças ou problemas tinham. Isso só fez diferença na produção, quando elencamos cuidadosamente as necessidades especiais do projeto. No dia mesmo, na hora do vamos ver, eram pessoas. Ansiosas, animadas, eufóricas como as crianças que nunca deixaram de ser. Eles saíram de seus quartos e leitos com o suporte de enfermeiros e acompanhantes e ficaram à nossa espera no jardim central. Conduzimos os cachorros por um corredor formado por flores e plantas. Eu guiava a Antonia e a Mari a Docinho. Aos poucos pude ver nitidamente um mar de olhos sorrindo. Nosso projeto virou sucesso naquele momento. Tínhamos pessoas, cachorros e felicidade.

 

Bóris e Evaristo visitam a Cris

Bóris e Evaristo visitam a Cris

 

Fizemos a volta olímpica entre cadeiras de rodas e bengalas. Conversamos bastante com os pacientes, mesmo aqueles que não podiam ou tinham dificuldade de falar. Colocávamos os pets bem próximos. Docinho, a lady gigante que é, apenas encostava nas cadeiras, no tamanho exato da energia e amor envolvido. Por um breve período, ninguém ali estava doente ou se sentindo velho. Todos afloraram a idade da alma, que sempre será criança num universo tão grande e antigo. Lembrados pelos cães que nascemos essência e que, no ritmo de Robertão, “O que importa é ser feliz e mais nada!”

 

Uma das cuidadoras pediu para eu me aproximar de uma senhora. Imaginei que ela queria agradar a Antonia, então levantei nossa mascote. Esta senhora disse algo no ouvido da cuidadora, que reproduziu em voz alta:

 

– Ela adora cachorros, mas pediu para você se aproximar.

 

Abaixei e ela me deu um abraço. Com muita, muita dificuldade, disse:

 

– Obrigado!

 

Foi difícil segurar. Era a soma de todas as riquezas. As minhas, as delas, da Antonia, da Mari. Ali estava o produto interno bruto da felicidade. Ou felicidade interna bruta.

 

Entramos no Hospital da Retaguarda, que faz parte do complexo, para levar os cães aos pacientes acamados. No caminho, fiquei observando a Mari, o Roberto e a Erika, do Matilhando com admiração e gratidão. Vi o esforço deles, com ajuda dos cães, virar, por um breve período, o analgésico mais potente, a medicina mais eficaz.

 

Erika e Saulo

Erika e Saulo

 

Ainda no corredor, fomos cercados por funcionários e pacientes. Alguns eu já conhecida do jardim. Senhor Saulo era um deles. Alto, cabelos branquinhos, branquinhos, calça social, camisa, chinelos e muito falante. Logo que chegamos pediu para segurar a coleira da Antonia. Não satisfeito, deitou no chão do hospital para brincar com a Lollita.

 

Saulo senta no chão para brincar com a Lollita

Saulo senta no chão para brincar com a Lollita

 

– Eu tinha um cachorro parecido com este quando era jovem. Ele andava no tanque da minha motocicleta. Uma vez fui à cidade sem ele e ouvi alguém gritando: cadê o cachorro? – Lembrou às gargalhadas.

 

O primeiro quarto foi de Dona Cândida. Ela estava com um inalador, mas rapidamente tirou quando entramos. Sentada com um pijama rosa, sorriu de encher o coração. Fiquei com a Antonia bem pertinho da cama. Depois de alguns minutos eu disse:

 

– Temos cachorros de todos os tamanhos hoje. Qual a senhora prefere?

 

Com olhar de satisfação, respondeu:

 

– Cachorro! Eu prefiro cachorro!

 

Ela estava certa! Porte, raça, cor do pelo. Detalhes.

 

Depois entramos num quarto fora da programação. Uma senhora muito elegante, com terninho amarelo, sapatilha e cabelos penteados estava sentada na poltrona de acompanhante segurando uma bolsa branca. Quando viu a Melbee, Pitbull preta e branca, linda de viver, soltou alto:

 

– Cookie!

 

Silêncio na sala cortado pela cuidadora:

 

– Ela tinha um cachorro preto e branco com esse nome.

 

Roberto Medeiros, profissional que eu já tive o prazer de entrevistar, entrou na onda com sensibilidade ímpar, explicando que tratava do Cookie com muito carinho.

 

E ela ficou ali, acariciando a Melbee / Cookie, enquanto minha cabeça tentava processar a importância afetiva daquele encontro e de como o Cookie ainda despertava boas lembranças, ignorando o tempo ou qualquer outra variável.

 

São apenas exemplos do que vimos e ouvimos neste início tão especial de projeto. Corredores cheios de vida e de histórias. De gente que nem sempre precisou de um hospital. Que já foi ativa, indo ao banco, supermercado, como eu e você, e que lembrou de tudo isso e muito mais por brincar com um cachorro.

 

Este não é e nem tem a intenção de ser um tratamento médico. Mas a ciência já provou que rir faz muito bem à saúde. Nossos velhinhos vão sentir, por um bom tempo, efeitos físicos e psicológicos deste dia. Além de ter um mundo de coisas para contar para seus familiares.

 

Já para a nossa equipe a dose foi bem maior. A gente riu e chorou. Muitas vezes, ao mesmo tempo. Aquela sensação que é boa, mas que também faz pensar, revisitar a própria vida. O que estamos fazendo? Quão profundo é o nosso entendimento de nosso ciclo biológico e nosso ciclo cultural? Do que nasce com a gente, que é necessidade física e básica, e o que construímos como sociedade? O eu, o outro e o meio?

 

Quanto tempo temos? Impossível saber.

 

Como aproveitar melhor a viagem? Como os animais, com simplicidade e sabedoria, fazem: vivendo a vida e não as coisas.

 

Bora ser feliz, minha gente, que semana que vem tem mais, diretamente da unidade Jaçanã.

 

PS – Para sentir com ainda mais intensidade este grande dia, confira as fotos da super parceira Raquel Petersen, da RP Photography 😉

 

Rogerio Porto

Exclusivo para It Pet Blog

 

Assinatura It Pet Blog

Tags:, , , , , , ,

9 respostas para “Levamos nossos cães para visitar os idosos do Recanto São Camilo. E foi lindo!”

  1. Elisa Seke disse:

    Que lindo o que vcs. estão fazendo…. Meu Deus…. sabem…, na Bíblia , Deus diz que os homens deveria se utilizar dos animais para que nos pudessem servir, e é disso que Deus falou…. Os animais tem amor, respeito, alegria, tranquilidade, emoções mil, deliciosas para nos dar… É mesmo assim que devemos utilizar os animais, trocando amor…….

  2. Gardenia Lima R.Leite disse:

    Gostaria de mais informações sobre o projeto de vcs.Obrigada.

  3. Leticia Yamanishi disse:

    Linda a iniciativa de vcs!! Amo cachorros e tenho certeza q eles tem muito a nos ensinar. Ter contato com um cachorro seja em qualquer circunstancia ou qualquer motivo nos faz um bem enorme e a felicidade é incomparável. Parabéns parceria com o Recanto São Camilo e que possa estender a outros lugares. 😀

  4. Danielle Fidalgo disse:

    Gostaria muito de ser voluntária nesse serviço, acho lindo!!! Me fez chorar, por favor leve esse tipo de trabalho sempre que poderem e a idosos, crianças… Deus abençoe cada um de vocês 👏👏

  5. Que lindo *-*
    Chorei largado aqui! Já tinha me emocionado com as fotos no insta, mas a história do dia me arrancou boas lágrimas.
    Muito maravilhoso, já fiz trabalhos em locais que acolhem idosos e sei a energia boa que nos passa. Parabéns pela iniciativa.

    Beijos!

  6. Sandra Santi disse:

    Fiquei emocionada também, muito lindo! Tenho certeza que esses pacientes tão cheios de vida e lembranças jamais esquecerão deste dia, ter animais de estimação por perto, principalmente os cãezinhos, é maravilhoso, pois eles são muito sensíveis e com certeza levou muitas alegrias e esperança para eles.Parabéns pelo lindo trabalho!!!

  7. Wgla Fernandes disse:

    Os animais são para nós seres humanos presentes dádivos de Deus para nos ensinar o verdadeiro sentido das palavras amor e perdão. Eles nos amam incondicionalmente!!! Parabéns e todos vocês que criaram e participaram deste projeto. Espero que atitudes como esta possam florear também em hospitais, em outras casas de repouso e orfanatos e que estes maravilhosos seres façam parte integrante das nossos, não pela sua raça ou pelugem para pelo que eles podem oferecer e dar ao ser humano,
    bjs no coração de todos
    WGLA

  8. Wgla Fernandes disse:

    Os animais são para nós seres humanos presentes dádivos de Deus para nos ensinar o verdadeiro sentido das palavras amor e perdão. Eles nos amam incondicionalmente!!! Parabéns a todos vocês que criaram e participaram deste projeto. Espero que atitudes como esta possam florear também em hospitais, em outras casas de repouso e orfanatos e que estes maravilhosos seres façam parte integrante das nossas vidas, não pela sua raça ou pelugem mas pelo que eles podem oferecer e dar ao ser humano,
    bjs no coração de todos.
    Wgla

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *